20 abril 2017

BREXIT - e agora ?

o PÓS-BREXIT em MARCHA
...
Theresa May já afirmou claramente que os estrangeiros, que estiverem legalmente a trabalhar no país, não serão expulsos do mesmo, nem lhes será retirada a autorização de residência e de trabalho.
...
O renascimento do eixo-político e económico mais poderoso do Mundo - o eixo-Londres-Washington - está a caminho, e com fortes possibilidades de se tornar realidade.
...
O cenário mais que provável, no seguimento da saída do Reino Unido da União Europeia, tal como já o escrevi por diversas vezes, de há mais de um ano para cá, é o fortalecimento desta aliança com os Estados Unidos.
...
Para além do mais prevê-se, e o Governo de Londres já o anunciou, que haverá um mais que natural reforço das relações do Reino Unido com a China, o Japão e com os Países da Commonwealth.
...
Só espero que Portugal tenha o discernimento de perceber que estamos no Centro do Mundo Atlântico e actue em conformidade. Para se constatar tal situação basta apenas olhar para um Mapa Mundi.
...
Mas, se calhar, isso é pedir muito dos nossos dirigentes políticos. Vamos ver!
...
Contra os “profetas das desgraça” que vêm dizendo que o Reino Unido sofrerá muito com o Brexit, repito o que tenho dito, desde Maio de 2016:
...
O Reino Unido continuará a ser:
- Uma Potência Nuclear,
- Um dos 5 Membros Permanentes do Conselho de Segurança,
- A cabeça da Commonwealth,
 - A maior Potência Militar da Europa,
-A ter um dos mais Importantes Mercados Financeiros Mundiais,
- A ser uma das mais importantes Economias do Planeta, mais precisamente a quinta economia mais forte.
...
A União Europeia a 27 poderá continuar, e progredir, se a sanha anti-democrática dos federalistas, que estão a destruir a união, deixarem de continuar a querer impôr o seu modelo á maioria dos povos das diversas Nações do continente, nas suas costas, e decidirem voltar à pureza do Tratado de Roma, à Europa das Nações.
...
Assim é, para mim, divertido continuar a ouvir e ler "os desejos" de alguns e ver que não compreendem (ou não querem compreender) o que se passa na cena internacional, nem as oportunidades que se abrem com este novo realinhamento internacional.
...
Mas também é verdade que há pessoas, fora do espaço mediático, que produzem outros cenários os quais têm alguma razoabilidade e são sérios.
...
Outros estão tão apegados à ideia de uma Europa Federal que não conseguem ver para além disso.
´...
Neste momento tanto a minha previsão como a de outros, que não os que pululam no espaço público liberal, pode ou não vir a verificar-se.
...
Mas uma coisa é já certa, a Ordem Mundial está a mudar e o processo é irreversível.
...
Outro ponto que merece um comentário é o estado de “medo” que alguns insistem em instalar na cabeça das pessoas que têm familiares a trabalhar no Reino Unido.
...
Tal “medo” não tem qualquer razão de ser, e muito menos junto dos emigrantes portugueses que são, em geral, muito bem vistos neste país.
...
Na verdade a Primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May já afirmou muito claramente que quem estiver legalmente a trabalhar no país não será expulso do mesmo nem lhe será retirada a autorização de residência e de trabalho.
...
È assim feio e desonesto que os federalistas, por mau perder, ou por pura má-fé, utilizem este medo para fazer com que as pessoas fiquem irracionalmente contra a decisão legítima e legal da maioria do Povo do Reino Unido e contra o seu Governo Conservador.
...
Mas voltemos às oportunidades que se abrem com este processo e com os cinco cenários do Livro Branco, sobre os quais já escrevi há duas semanas. Voltemos a coisas sérias.
...
Quando acima falo de oportunidades para Portugal, falo de reequacionarmos a nossa relação com a União Europeia, e da necessidade de recuperarmos a soberania em matéria das Políticas Orçamental, Câmbial e Monetária.
...
Ou seja, devemos lutar para conservar as quatro liberdades inscritas no tratado fundador da CE, ao qual aderimos, conservarmos a nossa pertença á União Aduaneira e ao Mercado Comum e rejeitar as restantes matérias que só nos têm prejudicado.
...
Numa palavra, devemos tudo fazer para negociar com a União Europeia o voltarmos á pureza do Tratado de Roma, ao espírito fundador da CEE, ao qual aderimos em Junho de 1985 e que nos motivou a quase todos nós portugueses.
...
Voltarmos á Europa das Nações preconizada pela esmagadora maioria dos Fundadores que foi demagógica e anti-democráticamente subvertida, nas costas das populações, pelos federalistas.
...
Uma outra possibilidade tem sido levantada por algumas pessoas. Refiro-me à necessidade de aprofundarmos a CPLP, que alguns têm aventado como caminho, no que os acompanho. ...
Há muitos anos que venho escrevendo sobre o tema. Acontece que a CPLP é importante, e devemos continuar a tentar construí-la, mas ainda é uma potência por explorar.
...
Para ser uma voz potente no Sistema Internacional, e interessante sob todos os pontos de vista do poder internacional, vai ser preciso o desaparecimento das cleptocracias instaladas em Angola e Moçambique. V
...
Vai ser igualmente necessário que surjam novas personalidades políticas, com pensamento e visão estratégica, no Brasil e em Portugal, que percebam a vantagem de uma comunidade que tem um imenso potencial.
...
Até lá será apenas uma miragem e não uma verdadeira alternativa, pelo menos no curto prazo.
...
Por fim, tudo o que acima está escrito, tem o objectivo de incentivar a que Portugal construa finalmente uma Estratégia Nacional, (há 40 anos que não temos uma) que vá no sentido de Diversificar as nossas dependências.
...
Só com uma estratégia de diversificação de dependências, poderemos progredir e poderemos manter Portugal como Nação autodeterminada, com um Estado Soberano, no seio do Sistema Internacional das Nações Soberanas.
...
Só espero que os nossos dirigentes políticos acordem a tempo. Que aproveitem as oportunidades que estão a surgir.
...
È uma necessidade, para bem de Portugal, a preparação desde já dos planos e das acções que nos permitam aproveitar as várias oportunidades apontadas.
...
No Sistema Internacional não se joga a desejos, nem em miragens.

Joga-se com Realidades!
...
Melhores cumprimentos
Miguel Mattos Chaves


Enviar um comentário