25 junho 2007

Um Novo Aeroporto para Lisboa? Sim ou Não! Se Sim, que solução?


As responsabilidades históricas e o futuro
Muito se tem discutido sobre este tema.
Muitos são os interesses em presença.

Muitas influências se movem.
Muitas mentiras ou meias verdades se dizem sobre esta matéria.

Poucos são os estudos credíveis e conclusivos.

Nenhum estudo que nos esclareça, sem sombra de dúvidas, sem restar nenhuma dúvida, se é preciso um novo aeroporto.

Nenhum estudo comparativo sobre as várias alternativas possíveis, no caso de a resposta á interrogação ser afirmativa.

E sendo assim legitimamente pergunta-se:

Que anda o Poder Político a fazer, leia-se os sucessivos Governos, com os cidadãos de Portugal?

Á força de quererem ficar na história (á nossa custa) PS e PSD têm andado a “forçar” a construção de um novo aeroporto, que ninguém afirma taxativamente ser absolutamente necessário, baseado em estudos credíveis e inquestionáveis. Apenas opiniões avulsas.

Mas partamos do princípio não provado em lado nenhum, por nenhum estudo credível, que é preciso arranjar mais uma pista de aterragem e uma aerogare de carga ou de passageiros. Neste caso põem-se as seguintes questões:

Q. 1. – Se desde os anos de 1960 se tem estudado a possível saturação da Portela e tendo o PS e o PSD conhecimento desses estudos, porque deixaram construir a Alta de Lisboa, e em terrenos adjacentes do lado poente, cujos terrenos poderiam ter servido para se construir uma nova pista paralela á maior do actual aeroporto? -
Que interesses particulares estes dois partidos defenderam, com prejuízo de Portugal e dos Portugueses, ao inviabilizar, assim, a construção de uma terceira pista (segunda em paralelo com a maior existente) que asseguraria por muitos anos a manutenção do actual aeroporto?

Q. 2. – É que a Portela dotada de mais uma pista e de uma nova aerogare poderia mais que duplicar a sua capacidade de acolhimento de aviões e passageiros, com 1/10 dos investimentos necessários á construção de um novo aeroporto. Porque é que não se acautelaram os interesses nacionais. A quem quis o PS e o PSD agradar e servir?

Q. 3. – Como estes Partidos têm caras responsáveis pergunto: Porque é que os Governos chefiados pelos Dr. Mário Soares, Dr. Cavaco Silva, Dr. Fernando Nogueira, Eng.º António Guterres, Dr. Durão Barroso, Dr. Santana Lopes e pelo Eng.º Sócrates não expropriaram as terras necessárias á expansão da Portela? Sobretudo no consulado dos dois primeiros, época em que ainda a Alta de Lisboa não tinha sido construída, ... porque não impediram que isso acontecesse?

Ficam as dúvidas legitimas sobre que interesses se defenderam. Fica uma certeza, não foram defendidos, certamente, os interesses de Portugal e os de Lisboa.

Como nós comuns portugueses não vamos obter resposta a estas questões, e em Portugal a culpa e a responsabilidade morrem solteiras, vamos para a frente. Vamos para as soluções ainda possíveis.

E em relação a estas subsistem dúvidas incómodas.

Q. 4. – A Portela se agregar a Base Aérea nº 1, de Figo Maduro, contígua e confinante com o actual aeroporto, fica ou não com capacidade para acolher mais de 25 milhões de passageiros/ano?

Q. 5. – Porque não se aproveitam nenhumas das Pistas já existentes - (Sintra – Granja do Marquês; Montijo, Alverca, Tires)?

Será que nenhuma destas serve para aeroporto secundário?
Será que nenhuma destas pode acolher um terminal de cargas que descongestione a Portela? Será que nenhuma destas pistas pode agregar uma aerogare para as companhias “low-cost” que alivie a Portela desse tráfego?
Porquê?

Qualquer pessoa de bom senso, qualquer observador menos atento e ilustrado, ao visitar qualquer destas pistas e suas imediações, vê que a resposta a estas perguntas é Sim!

Então que interesses estão por trás, para que esta solução não seja estudada e implementada?

Para mais com as novas ajudas (de aproximação e de aterragem de aeronaves) tecnológicas é possível compatibilizar todos os corredores aéreos.
A tecnologia que não sirva de alibi. Ela existe e está disponível.
Ou o Plano Tecnológico é só para algumas coisas menos importantes, ou para encher noticiários?

Então tudo leva a crer que a solução Portela + 1 é possível.

Porque não se aprofundam os estudos, com a colaboração dos que até agora não foram consultados: os Pilotos de Linha Aérea e os Pilotos da Força Aérea Portuguesa?

Porque não é o LNEC encarregue de estudar, a par da Ota e de Alcochete, esta solução, muito mais barata para o País?

Ouvimos falar de estudos ambientais, de estruturas etc.. mas ainda não ouvimos os Pilotos sobre Segurança Aérea! Porquê?

Por nós portugueses, temos muito respeito pela TAP, pela CIP, pela Lusoponte, pelos Proprietários dos Terrenos da Zona Oeste, e por outros interessados directos, mas Portugal e os seus interesses têm que se sobrepor a estes! Ou não?

É ou não missão essencial de um Governo defender os interesses de Portugal, em vez de alguns interesses particulares?

A resposta é clara e não deixa margem para dúvidas.

E assim Sr. Primeiro Ministro de Portugal, porte-se como tal e não como chefe de uma facção, por muito influente que ela seja!
Enviar um comentário