08 outubro 2016

Saída do Euro....

PORTUGAL e o MUNDO - Passado recente e reflexão
...
Portugal esteve presente em todos os passos, da “construção” de uma Europa unida e de paz, muito antes da revolução de 1974. Mais precisamente desde a década de 1950 em diante.
...
O Estado português manteve-se activo na construção político-económica da Europa, procurando aproveitar as oportunidades que daí advinham.
...
Esteve presente na reunião informal de Haia, de onde saíram os pilares da formação da OECE – mais tarde OCDE – e mais tarde da CEE.
...
Integrou a EFTA e negociou, desde 1962, a entrada na CEE, tendo alcançado em 1972 o primeiro acordo de trocas comerciais com os países desta comunidade.
Acordo este que lançou as bases para que o processo de adesão, assinado em 1985, fosse concluído com algum êxito.
...
O Portugal do pós-guerra, ao contrário do que é comumente afirmado, não esteve isolado politicamente.
É um mito se criou.
Foi fundador da NATO, da EFTA e membro de várias outras Organizações Intergovernamentais, de carácter regional e mundial, tais como a ONU, o Banco Mundial, o FMI, o BIRD, para só citar algumas mais importantes.
...
Portanto a afirmação de que Portugal esteve isolado diplomática e políticamente, desde 1933 a 1974, é mentira e é desonesto, mas bem típico de uma certa classe política.
...
Depois de 1974, ainda na altura do “PREC”, Portugal fez um pedido de ajuda à CEE e em 1976 assinou um Protocolo Adicional e Financeiro ao acordo de 1972, e no ano seguinte fez então o pedido de adesão formal, que conduziu à sua integração em 1986.
...
Dito isto, agora os catastrofistas defendem que o problema na relação entre Portugal e a restante União Europeia é o nosso país ser excêntrico ao centro de decisões.
Afirmação verdadeira mas que não contém toda a verdade.
...
O problema é outro: no centro da Europa há centenas de milhões de consumidores, que compram produtos e serviços, que animam a produção e as trocas, numa palavra que impulsionam a economia, tendo como factores de favorecimento neste campo a proximidade, a rapidez e a facilidade de comunicações terrestres e aéreas.
...
Ora, nesta matéria, Portugal tem como único vizinho Espanha.
Ou seja poucos milhões de potenciais consumidores, em condições de proximidade.
...
Já D. João II tinha percebido isso.
Percebeu que tinha que arranjar novos mercados de escoamento ou de abastecimento do país, numa altura em que as comunicações eram morosas e as distâncias terrestres, um obstáculo.
...
Percebeu que, em termos Atlânticos, Portugal é o centro do mundo e que o Mar era a nossa condição de sobrevivência enquanto Nação Independente e Soberana.
...
Tal percepção durou desde o seu reinado até 1974 e norteou a Política Externa, a política de alianças, o relacionamento de Portugal com o Mundo.
...
Neste início do Séc. XXI é preciso voltar a diversificar as nossas dependências, aprofundando as nossas relações com os países africanos e o Brasil, e retomar os acordos preferenciais com os Estados Unidos, que acabaram quando integrámos a UE.
...
Recordo que tínhamos taxas muito baixas para exportar os nossos produtos para esse país que, quando cessaram, retiraram alguma competitividade à indústria portuguesa.
...
Por outro lado é preciso tudo fazer, de forma a fazer perceber aos nossos amigos da CPLP que esta organização tem que evoluir para uma cooperação industrial, económica e de defesa, aproveitando o Atlântico Sul que fala a mesma língua dos dois lados, aproximando-se do modelo da Commonwealth, para os países anglo-saxónicos.
...
Na minha opinião a nossa adesão à moeda única, ao Euro, foi um grande erro.
A nossa adesão foi mal negociada e ditada apenas por questões de política interna. A taxa de câmbio utilizada foi completamente artificial.
...
Por exemplo, a Alemanha, foi obrigada a adoptar o Euro como condição para a sua reunificação mas fixou a taxa de forma a desvalorizar o marco.
Com isso conseguiu manter a sua economia forte e, ao mesmo tempo, uma moeda mais fraca, o que lhe tem permitido criar excedentes.
...
Em Portugal deu-se o inverso.
Tínhamos, e temos, uma economia frágil agora dotada de uma moeda forte.
...
Em Resultado desta situação:
- não morremos… mas vamos definhando.
Basta ler os números desde 2002.
...
Em vez de se construirem auto-estradas, devia-se ter reforçado a agricultura e a indústria, para compensar o ganho de valor artificial, provocado pela nova moeda, com a valorização dos produtos.
...
Defendo, por isso, e muito claramente a saída do Euro, que não pode ser nem breve, nem abrupta, mas sim negociada.
...
Temos que voltar à ‘serpente monetária’ onde estão os outros países da UE, que têm um intervalo de variação cambial de +/- 15%”.
...
A perda de poder de compra com a entrada no Euro foi muito significativa (+- 300% em cinco anos) e com a saída nesta altura da moeda única voltaria a sê-lo, no curto prazo, (+-25% a 30%).
...
A partir do 3º ano recuperariamos os níveis de crescimento da década de 1980 e 90, e os instrumentos necessários para o desenvolvimento, que nos foram retirados com a entrada no euro, a saber - Política Monetária, Política Orçamental e Política Câmbial.
...
É uma questão de sobrevivência, para Portugal.
...
Melhores cumprimentos
Miguel Mattos Chaves

Enviar um comentário