09 janeiro 2017

As grandes qualidades e alguns defeitos do Povo Português

Portugal tem 900 anos de existência como país independente, possui uma história rica, e foi capaz de influenciar a história mundial, chegando a ser a potência mundial dominante, mesmo em tempos em que o número dos seus habitantes não chegava aos 2 milhões.
...
Foi capaz de dar “novos mundos ao mundo” e foi capaz de trazer inovações importantes no relacionamento entre os vários países. Inovações que mudaram para sempre o ambiente mundial, como foi o caso da globalização do comércio internacional. Fomos, na verdade, os autores e fautores dessa 1ª globalização.
...
Mas apesar deste e de outros feitos notáveis, em vários campos como a medicina, tecnologia da informação, indústria cerâmica, dos moldes, do calçado, têxtil, e outras, investigação científica, e em outros campos, e apesar do reconhecimento internacional nessas matérias, continuamos colectivamente a ter uma espécie de complexo de inferioridade face a outros povos/nações, que a meu ver não tem qualquer razão de ser.
...
Na verdade, e quem trabalha ou trabalhou em multinacionais sabe-o muito bem, em nada somos inferiores a nenhum outro povo.
...
O nosso país tem uma população com três características muito pouco vulgares no Mundo.
...
A primeira das quais é a sua - Resiliência – isto é, a capacidade fora do comum de resistir e enfrentar adversidades. Esta característica fez, por exemplo, com que os nossos militares fossem um exemplo para muitos exércitos mundiais, dada a sua capacidade de combater em terrenos muito adversos, com equipamentos nem sempre adequados, resistir a condições climáticas diversas e por vezes muito agrestes.
...
Ainda hoje, e dada esta peculiar característica, os nossos destacamentos militares que se encontram em missões de paz, um pouco por todo o mundo, são elogiados pelos nossos parceiros do sistema mundial.
...
Uma outra característica que nos diferencia positivamente de outros povos é a nossa bem conhecida - Versatilidade Mental – isto é, a nossa capacidade de adaptação a novos métodos, novos desafios e novas tecnologias.
...
Esta característica muito apreciada pelos estrangeiros, possibilita ao português médio aprender muito fácilmente novas tarefas, o que lhe dá uma mobilidade média superior.
Esta característica é muito visível, sobretudo, nos nossos emigrantes espalhados pelo mundo, mas também por cá.
...
Por fim, temos um - Espírito Criativo Superior – isto é, uma capacidade invulgar de encontrar soluções para problemas inesperados ou fora do comum.
Esta característica é muitas vezes desvalorizada por nós próprios, não sendo invulgar ouvir classificá-la depreciativamente como a capacidade do “desenrascanço”.
É pena que sejam os portugueses, os próprios, a desvalorizar e classificar depreciativamente esta característica notável e invulgar.
...
Estas três características, todas elas positivas, permitiram-nos, enquanto país, atingir feitos extraordinários, sob todos os pontos de vista, em vários períodos da nossa história, quando tivemos dirigentes à altura.
...
Permitem a inúmeras empresas, quando bem dirigidas (e já lá vamos) ter sucesso não apenas no mercado interno, mas muito no mercado mundial. Permitiram, e continuam a permitir, que as filiais de empresas multinacionais que operam em Portugal, sejam das mais rentáveis, per capita, dos grupos mundiais que integram.
...
O que nos falta então?
...
- Estratégia e Organização – ou seja a capacidade de conceber estratégias de médio e longo prazo, suficientemente claras e devidamente conhecidas para poderem ser adoptadas e seguidas por todos os envolvidos;
...
- Planeamento Realista – ou seja a capacidade de, na sequência da estratégia delineada, montar sistemas adequados para a cumprir, em todos os níveis, com sucesso nos resultados;
...
E finalmente, o grande “calcanhar de Aquiles português”- Ausência de Políticas de Motivação.
Ou seja, a esmagadora maioria dos dirigentes políticos, ou empresariais, portugueses não tem a mínima noção deste factor fundamental.
...
Dado ser uma matéria que, só por si, justifica um artigo ou mesmo um livro, direi apenas que uma grande parte dos dirigentes Portugueses, é incapaz de elogiar os seus comandados quando eles desempenham bem as suas tarefas, mas são muito rápidos em criticar quando eles cometem erros no desempenho das mesmas.
...
Estes três últimos factores (Estratégia e Organização, Planeamento Realista e Ausência de Políticas de Motivação) são, por definição, da responsabilidade dos Dirigentes.
...
Uma direcção capaz define-se, em primeiro lugar, pela sua capacidade de os desenvolver e por em prática.
...
Em resumo: Portugal tem as condições de base – o Ser Humano - com as características mais que necessárias para evoluir e ser mais rico e proporcionar melhor futuro aos seus cidadãos.
O que tem falhado, são grande parte dos dirigentes, políticos, associativos, sindicais, empresariais, que temos tido.
...
Inevitável? Não!
Já agora merecia a pena pensar nisto!
...
matos.chaves@gmail.com
(Editorial de dia 27 de Dezembro de 2017 – Semanário “O Diabo”)
...
Melhores cumprimentos
Miguel Mattos Chaves

Director do semanário "O Diabo"
Gestor de Empresas
Doutorado em Estudos Europeus
Auditor de Defesa Nacional
Enviar um comentário