03 maio 2017

Análise ao Debate Macron - Le Pen

DEBATE Le PEN --- Macron
...
Ouvi na TF4 o debate em directo pois não estava com disposição para ouvir as barbaridades dos "tradutores" das Tv´s portuguesas.
...
Fiquei estupefacto com as conclusões principais que eu próprio tirei:
...
Le Pen tem sido apelidada de tudo e mais alguma coisa - "extrema-direita", - "fascista" - e outras, por parte dos órgãos da dita "verdade", portugueses;
...
Macron tem sido apelidado de - "centrista", - "socialista disfarçado" - e outras coisas, por parte dos "brilhantes" comentadores dos órgãos da dita "verdade", portugueses;
....
Ora, mais uma vez, estas ditas "classificações" pecam por pobres, nada rigorosas e antes reveladoras de uma completa ignorância política.
...
Vejamos o porquê, na minha opinião:

(1).- Na questão da EUROPA, e esta é para mim é uma questão decisiva:

MACRON – mais do mesmo, isto é mais federalização da U.E., mais poderes a transferir dos Estados para Bruxelas, de forma a construir e aprofundar a Europa Federal;
Isto é, a diluição progressiva dos Estados Soberanos no seio de uma Federação supra-nacional;

No EURO, Macron defende o mesmo caminho. Mais poderes para Bruxelas, menos para os Estados. Mais poder para o BCE, menos para os Governos e Bancos Centrais de cada país; etc…

LE PEN - não fez mais do que pretender fazer regressar a França e a Europa á aliança entre Estados Soberanos e Iguais, prevista no Tratado Fundador da CEE, o de Roma; Sistema aliás, defendido pelos principais “Pais Fundadores” da então CEE, e em especial por De Gaulle, Adenauer,etc…

No EURO, pretende, no espirito do Tratado de Roma, fazer regressar a França ao Sistema Monetário Europeu, ao ECU, em que cada país mantem a sua autonomia monetária, orçamental, estando apenas sujeitos à flutuação câmbial entre as moedas integrantes do SME, de mais 15% ou menos 15%, lembrando que era onde todos estávamos antes da entrada física do Euro.

Dito isto, a minha opinião e escolha:
É público o que tenho escrito e publicado.
O meu voto, nesta matéria iria direito para Le Pen.
Então, nós próprios em Portugal, reconhecemos o direito dos Povos à Autodeterminação, ao direito de se Autogovernarem, e agora defendemos a federalização, isto é a perda desses direitos, para nós próprios, Portugal?

Não faz sentido, pelo menos para mim, como bem sabem os que têm feito o favor de ler o que publico.

(2).) – Quanto ás questões da Segurança, Defesa e Ameaça do Islão

MACRON – defende a máxima segurança, defende que cairá em cima dos islamitas que pratiquem crimes, etc… Recusa mesmo que tem o apoio (que foi publico e publicado) das organizações Islamitas de França; Agora, e ao contrário do que afirmava, ameaça ilegalizar as organizações islamitas em França se houver indícios de crimes;

LE PEN – defende a máxima segurança, concretizando: reintroduzir as fiscalizações nas fronteiras; vigilância apertada dos mais de 11.000 cidadãos do islão que vivem em França e que estão sinalizados como perigosos; expulsar todos os estrangeiros que tenham sido condenados pela Justiça francesa por crimes cometidos e expulsar os que chegaram a França e que tenham sido julgados nos seus países de origem, igualmente por crimes; quer acabar com as mesquitas em França, pois considera que a maior parte são “escolas” de radicalização.

Dito isto, a minha opinião e escolha:
Somos Portugueses, vivemos num país onde temos poucas dezenas de milhar de estrangeiros a viver cá, e portanto não dá para perceber a pressão de segurança; não dá para perceber o que são mais de 5 milhões de muçulmanos a viver e a querer impor os seus costumes, religião, regras, etc.. em França, aos franceses.
Como já visitei Paris e Marselha, percebi bem o que defende Le Pen. Percebo menos a frouxidão de Macron.

(3).- No campo da Economia
Ambos pretendem descer impostos.

Posto isto, porque o resto foi menor na discussão, na minha opinião, creio bem que o resultado de Domingo poderá vir a ser uma surpresa desagradável para os desejos dos comentadores, “jornalistas” da nossa terra.

Agora chamar a Macron “centrista” é no mínimo hilariante. É claramente um liberal ferrenho, defensor do federalismo europeu e tem todo o direito á sua opinião.

Agora chamar a Le Pen “fascista”, “isolacionista”, “extrema-direita”, é igualmente hilariante. É claramente uma Conservadora, Soberanista, defensora da Europa das Nações e tem todo o direito á sua opinião.

Por mim, tanto me faz, pois sou português. Mas se fosse francês e depois do que ouvi no debate desta noite, votaria Le Pen.

Estes são os dados objectivos do problema.
Esta é a minha opinião que convosco partilho, pelas razões acima descritas.

Melhores cumprimentos
Miguel Mattos Chaves
Cidadão português da Direita, Conservador.
Enviar um comentário