24 março 2017

A Liberdade, o Respeito, a Libertinagem

Confesso que a minha paciência se esgotou e há coisas que não posso deixar de dizer dada a chocante situação a que assistimos no denominado espaço público!
...
Desceu-se a um nível inimaginável aqui há uns anos atrás. Vem isto a propósito de haver palavras que são pronunciadas no espaço público, o que me leva a pensar que, em boa parte das vezes, são pronunciadas, por pessoas que nem sabem o seu significado concreto, dado o enquadramento frásico em que são inseridas.
...
Vejamos três delas, dada a sua importância para a vida em sociedade:
...
A Liberdade, o Respeito, a Libertinagem.
...
Comecemos então pela Liberdade.
Ora Liberdade significa o direito de agir segundo o livre arbítrio de cada pessoa, de acordo com a própria vontade, mas desde que esta não prejudique outra pessoa.
...
Ou seja, a Liberdade de cada um de nós acaba quando começa a Liberdade de outrém! Se cada um de nós tem direito à sua Liberdade, os outros também o têm. Logo não posso violar a liberdade dos outros, mas também não posso permitir que violem a minha liberdade.
...
Um outro termo é o Respeito. O Respeito é um sentimento positivo que significa acção ou o efeito de respeitar, o apreço, a consideração, a deferência de cada um de nós, para com os outros.
...
Ou seja, daqui se infere por mera e simples dedução lógica que não há Liberdade se não houver respeito de cada um pelos outros. Por exemplo, se alguém insultar gravemente outra pessoa está objectivamente a violar a Liberdade e a faltar ao respeito ao outro;
...
Se agredir física ou sentimentalmente, insultar, enxovalhar, ou exercer qualquer outra forma de violência objectiva (aquela que fere fisicamente ou sentimentalmente a outra pessoa), está claramente a desrespeitar a outra pessoa o que, para além de outras considerações, a leva a uma situação de quem está a violar as normas básicas de convivência.
...
Vem isto a propósito de se assistir cada vez mais no espaço político aos políticos se insultarem ou se acusarem uns aos outros, em termos pouco dignos.
...
Ora estas atitudes, para além de revelarem falhas de carácter e de educação básica, são um mau exemplo do que deve ser o correcto uso da Liberdade e do Respeito, que deviam presidir às relações entre eles.
...
Óbviamente essa prática, além de transmitir os sinais errados à população menos informada, deslustra os detentores dos cargos que o fazem, os quais deviam respeitar, para serem respeitos. Chegam mesmo ao ponto de, em nome da “polémica política”, insultar, mesmo que injustamente, outras pessoas.
...
Nesta matéria, não há inocentes, pois quem insulta, viola a Liberdade do outro; Igualmente, num exemplo extremo, quem fere ou mata viola gravemente a Liberdade do outro. É apenas uma questão de Grau.
...
Ora estes comportamentos, de abuso da liberdade e de desrespeito são graves. São graves porque violam a prática da “liberdade com respeito”, que devia ser o slogan máximo da Democracia que todos dizem defender.
...
Com estas atitudes entramos na Libertinagem (sob a capa de Liberdade) onde uns usam a caneta ou o microfone como “arma” (alguns “jornalistas” e comentadores) e outros usam o discurso como “arma”, (alguns dirigentes políticos).
...
Ora, como se sabe, a libertinagem é o mau uso da liberdade.
É a extrapolação da liberdade, e quando isso acontece, os limites são ultrapassados e a integridade física, emocional ou psicológica de outra pessoa é posta em causa e isso é inadmissível numa sociedade que se pretende denominar de “civilizada” e de democrática.
...
Para além do mais, a libertinagem ao levar a uma falta de respeito pelo próximo, indica a falta de dignidade e de bom caráter por parte de quem a pratica.
...
Tudo isto me leva a fazer uma advertência:
- Já que tanto se usa e abusa do termo Liberdade, então seria bom que, a começar pelos dirigentes políticos, mas também pelos jornalistas e comentadores, que tal termo começasse a ser usado com correcção e não da forma deturpada como o tem sido.
Mandam as boas regras que, por exemplo, quem entra em casa de alguém tenha que, obrigatóriamente, cumprir as regras em vigor nessa casa, mesmo que só e apenas por boa educação.
...
Quem recebe em sua casa, por seu lado, tem que receber bem, educadamente, sem insultar, mas não deixando que as suas regras (da sua casa) sejam violadas por quem foi convidado a entrar.
...
Ora jornalistas e políticos “entram em nossa casa” todos os dias, via televisões, jornais, rádios. Era bom que reflectissem como o fazem e quais os limites que devem observar.
Tudo isto me parece apenas de um elementar bom senso.
...
Mas o que temos visto é que estas regras básicas são todos os dias violadas por alguns dirigentes partidários e por alguns “jornalistas” que se acham acima de tudo e de todos e que assim usam e abusam da libertinagem, que é uma prática contrária à liberdade e ao respeito devido aos outros.
...
Já nem falo nos atropelos à liberdade e ao respeito que são cometidos, todos os dias, em nome de uma pretensa e hipócrita "Liberdade de Expressão".
Isso daria para uma outra extensa reflexão, que hoje não cabe aqui.
...
Para concluir direi que se continuarmos a assistir à prática da libertinagem a que temos assistido no denominado “espaço público”, não se admirem que as pessoas de bem comecem a ficar fartas e queiram mudar de regime.
...
É que ninguém gosta de ser desrespeitado, nem ninguém gosta de ver a sua liberdade coartada por outrém.
É o que os Partidos têm tentado, e conseguido, fazer.
O resultado da aceitação hipócrita desta situação não pode ser bom.
...
Melhores cumprimentos
Miguel Mattos Chaves
Enviar um comentário